22 de Julho de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO
logo

POLÍTICA Sexta-feira, 24 de Novembro de 2023, 10:41 - A | A

Sexta-feira, 24 de Novembro de 2023, 10h:41 - A | A

CASSAÇÃO DE EDNA

'Processo foi conduzido por motorista bêbado', ironiza advogado

Redação

O advogado Julier Sebastião ironizou a Comissão de Ética da Câmara de Cuiabá, que atuou pela cassação da vereadora Edna Sampaio (PT). Na opinião dele, o processo que avaliou a quebra de decoro parlamentar foi "conduzido por um motorista bêbado”.

 Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI).

Leia também - Justiça anula cassação e Edna volta ao cargo na Câmara


A declaração foi dada durante entrevista coletiva, na manhã desta quinta-feira (23), um dia após a Justiça anular o procedimento administrativo disciplinar que resultou na perda do mandato da parlamentar. Processo foi cancelado por excesso de prazo em sua conclusão. A vereadora era investigada por um suposto esquema de “rachadinha” com o uso da verba indenizatória (V.I.) da ex-chefe de gabinete.


“O processo na Comissão de Ética foi pilotado como se tivesse no volante um motorista bêbado. Evidentemente esse tipo de tropeço e abusividade à Constituição, as leis brasileiras não autorizam”, disse aos jornalistas.


Os trabalhos da comissão foram conduzidos pelo vereador Rodrigo Arruda Sá (Cidadania). Edna foi acusada pela apropriação indevida da V.I. após exigir o repasse mensal dos recursos que era destinada à conta da sua ex-chefe da Gabinete, Laura Abreu.

 

A petista justificou que os valores das verbas dela e da ex-servidora eram concentradas em apenas uma única conta para custear os gastos referentes ao mandato, o que a Câmara considerou “ilegal”.

 

Contudo, a Justiça acolheu pedido da defesa sobre a caducidade do processo administrativo disciplinar (PAD). O processo deveria ser concluído em 90 dias, mas excedeu o prazo, o que o tornou irregular. Para a imprensa, Edna disse que retorna ao Legislativo com tranquilidade após responder a um processo “ilegal e vergonhoso”.

 

“Volto para Câmara com a tranquilidade que saí. Enfrentei uma violência política, de gênero, diante de um processo ilegal e vergonhoso. Isso significa o nível da política praticado em nosso município”, manifestou.


Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Tangará Online (tangaraonline.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Tangará Online (tangaraonline.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.


image