15 de Julho de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO
logo

GERAL Terça-feira, 28 de Novembro de 2023, 09:35 - A | A

Terça-feira, 28 de Novembro de 2023, 09h:35 - A | A

COMBATE INTENSO

"Fogo imponente do Pantanal exigiu muita força e estratégia", diz bombeiro que atuou por 27 dias para controlar incêndio

Redação

O incêndio que atinge o Pantanal mato-grossense desde outubro, considerado controlado desde 20 de novembro, mobilizou cerca de 120 homens do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, militares do Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPAer) e agentes da Defesa Civil do Estado.

Jair Germano Gonçalves Júnior, do 3º Batalhão de Rondonópolis, é um dos bombeiros que atuou na região por mais tempo. Ele retornou para casa na última sexta-feira (24), após 27 dias de combate intenso ao fogo.

Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI).

"Foi muito surreal. Para entender realmente a severidade e poder do fogo, é apenas vivenciando, estando lá. Não tem como explicar com palavras. Em uma tarde, o fogo pulou três rios aqui na região. São rios com cerca de 40 metros de largura. O fogo foi muito imponente, mas a sensação hoje é de dever cumprido. É muito gratificante saber que aquela área preservada é resultado do trabalho de muitos", diz o soldado.

O militar explica que nos dias em que as chamas estavam mais intensas na região, ele e os demais membros da equipe davam início ao combate por volta das 5h da manhã. Quanto mais cedo, mais eficiente o combate se tornava.

"Nosso combate começava às 5h e ia até às 10h para ter efetividade contra o fogo. A partir das 10h, até por volta das 14h, o trabalho era de monitoramento, porque neste período era praticamente impossível combater por conta das altas temperaturas e vento. Depois, às 15h, voltávamos às ações de combate. Todos os dias eram assim", relata.

O trabalho das equipes não terminava ao chegar na base, em uma pousada da região. Ao fim do dia, era realizada uma reunião de alinhamento com todos os membros da equipe para planejar as estratégias do dia seguinte.

Entretanto, nem sempre as ações saiam como o planejado porque a força do fogo era muito imprevisível.

"O incêndio florestal é muito dinâmico por depender de um clima que, neste último mês, esteve muito instável. Fazíamos um planejamento macro para o dia seguinte, conforme os resultados obtidos no dia anterior, mas sempre sabendo que parte do planejado poderia mudar. Parece que o fogo pensa e tem vida, evolui", afirma.

O militar destaca que não faltaram recursos do Governo de Mato Grosso. Nos momentos mais críticos das chamas, chegaram a atuar contra o incêndio três aviões, um helicóptero, 11 barcos, 16 viaturas e caminhões-pipa.

"Estamos com bastante recursos e homens no combate. Graças a isso, conseguimos segurar as chamas e impedir que se alastre mais do que alastrou, tendo em vista que o bioma contribui para a expansão do fogo. Aqui é um dos poucos lugares que o chão queima muito fácil. Você vai, apaga na superfície, mas o fogo continua por baixo do solo, então as chamas voltam em outros pontos. Foi um trabalho constante", afirma.

Nesta terça-feira (28), segundo major BM Rodrigo, o fogo não está com a mesma força e o incêndio é considerado controlado nesta região. Entretanto, o trabalho das equipes não chegou ao fim e são realizadas ações preventivas como construção de aceiros alagados e rescaldo.

“Aqui no Encontro das Águas e Transpantaneira o fogo está totalmente controlado. Estamos monitorando com drones e aviões em busca de pontos de reignição, e estamos reforçando nossos aceiros”, explica o major.

Reconhecimento pantaneiro

Maurício Rondon Moraes, pantaneiro desde quando nasceu, há 48 anos, dá apoio ao Corpo de Bombeiros Militar desde o início do fogo na região da Transpantaneira, próximo ao Rio São Lourenço. Ele teve sua casa ameaçada pelas chamas, mas teve a propriedade resguardada devido ao trabalho intensivo das equipes.

"Só aqui na minha casa demos abrigo para mais de 20 bombeiros. Eles vieram na hora certa e estão fazendo o trabalho corretamente. Fizeram o combate ao fogo no fundo da nossa casa. Há quem diga que os Bombeiros não estão trabalhando, mas estão, sim. Eles são treinados para isso. Para nós, a chegada dos bombeiros foi a melhor coisa que tivemos", diz Maurício.

“O ano de 2020 foi uma catástrofe. Naquela época, o fogo veio de Corumbá (MS) a Cuiabá queimando. O fogo não teve piedade do nosso Pantanal. Três anos depois, o fogo veio pela força da natureza. O calor está muito intenso, mas os bombeiros conseguiram controlar mesmo assim”, completa.

Equipes do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso estão no Pantanal desde a primeira semana de outubro, quando os primeiros pontos de incêndio foram identificados. Atualmente, cerca de 100 bombeiros e agentes da Defesa Civil do Estado estão em seis frentes de combate ao bioma.

Em apoio às ações, nesta terça-feira, estão disponíveis dois aviões da Defesa Civil para o monitoramento aéreo, 11 barcos e 18 viaturas para o deslocamento das equipes em diferentes pontos de combate na região, além de dois caminhões-pipa.

A Sala de Situação Central, em Cuiabá, continua monitorando todo o bioma com satélites de alta tecnologia para orientar as equipes em campo.

 

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Tangará Online (tangaraonline.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Tangará Online (tangaraonline.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.


image