17 de Junho de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO
logo

CIDADES Quinta-feira, 26 de Novembro de 2020, 09:59 - A | A

Quinta-feira, 26 de Novembro de 2020, 09h:59 - A | A

LUTA CONTRA O TEMPO

Bebê com Síndrome de West precisa de doação com urgência

Mídia News

O pequeno Pedro Roberto Lozano Pinho tem apenas 10 meses, mas já está travando uma luta contra o tempo. Diagnosticado com Síndrome de West aos 8 meses, o bebê precisa com urgência fazer um tratamento com ampolas importadas, que somadas custam R$ 10 mil.


De acordo com a mãe de Pedro, Jaqueline Lozano Valerio, a urgência se dá porque quanto mais crises seu filho tiver, pior fica a sua recuperação por conta das sequelas. A Síndrome de West começa com crises epilépticas. Em seguida, ocorre a interrupção do desenvolvimento neuropsicomotor normal e uma alteração específica no eletroencefalograma, denominada hipsarritmia.


A idade de início das crises em geral é entre 4 a 7 meses de idade, ocorrendo principalmente em meninos. Sem o tratamento adequado pode haver atraso do desenvolvimento e elevado risco de sequelas neurológicas permanentes.


No caso de Pedro, Jaqueline conta que as crises epilépticas começaram aos 3 meses. Na época, ele foi internado por uma semana e fez tratamento com Gardenal, que ajudou a controlar as crises.


“Pedro estava fazendo fisioterapia, seu desenvolvimento estava fluindo, ele já rolava, estava quase sentando sozinho. Eu como mãe estava feliz em ver o progresso de meu filho, mas dia 9 de outubro voltaram as crises”, narra.


Após piorar, o menino foi diagnosticado com a Síndrome de West no dia 16 de outubro. Ele realizou tratamento com corticoides, porém, agora está realizando o “desmame” do medicamento, pois eles não surtiram o efeito esperado.


“Começamos o tratamento com corticoide e várias crianças que fazem o uso melhoram, dá certo. Mas com o Pedro não funcionou. Agora, ele está fazendo o desmame, usando doses menores”, explica.


A médica que atende Pedro orientou Jaqueline sobre um novo tratamento, com ampolas de ACTH, que demonstram um resultado positivo. No entanto, cada ampola custa em média R$ 400 e o bebê precisará de no mínimo 20 delas. Jaqueline explica ainda que as ampolas são importadas do Estados Unidos, portanto, o valor depende do dólar.


Ela, que é auxiliar de serviços gerais, não tem condições para arcar com as ampolas, que ficaram no valor de R$ 10 mil. Fora o alto custo, Jaqueline conta a tristeza que é observar seu filho perder movimentos simples, como sorrir.


“Eu peço que me ajudem a devolver o sorriso e desenvolvimento de meu bebê. A West tira todo desenvolvimento da criança, tira o riso, tira tudo. Enquanto as crises não forem controladas ele vai sendo cada vez mais afetado pelas crises”, lamenta.


A mãe criou uma vaquinha para receber doações. Quem quiser contribuir, também pode depositar na seguinte conta:


Banco do Brasil
Agencia: 2363_9
Conta corrente: 49961_7
Jaqueline Lozano Valerio
CPF 036.188.751-50


Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Tangará Online (tangaraonline.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Tangará Online (tangaraonline.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.


image